5e60e77f4a9c7352623716.jpg

Sala da Guarda 

Esta sala foi utilizada por diversos séculos para reservatório-coletor das águas pluviais da praça das armas, a prova está num um buraco que perfura a abóbada no centro como uma clarabóia. Antes disso, durante o período templário, pode ter sido a sala de armas do castelo.

 

A Casa de Guarda é formado por duas dependências, o antigo corpo de guarda da fortaleza estava localizada no piso inferior de uma das torres defensivas do portão. Esta dependência conserva o traço de uma das escadas medievais primitivas da fortaleza. A partir do primeiro piso quadrangular deste anexo, são acessíveis mais duas salas, todas cobertas com abóbadas de pedra. O castelo ainda que de arquitetura gótica, foi construído com técnicas de 150 anos antes – a época de ouro dos Cavaleiros Templários. 

 

O maior cuidado dos Cavaleiros Templários eram as suas armas pessoais, estabelecidas pela Regra: espada, lança e maça. Em Peñíscola, de acordo com um inventário de 1301, foi armazenado um grande número de armas, tais como béstas, projéteis, escudos, capacetes de ferro e espadas.

 

Os Templários também se destacaram enquanto astutos construtores de máquinas de guerra para lançamento de projécteis, essenciais no cerco, assalto e defesa de fortalezas. Como é o caso dos trabucos (arma de cerco, datado da Idade Média, e muito usado pelos Templários) utilizados na defesa de Miravet, que foi inventariado neste mesmo castelo em Peñíscola.

 

Como é do conhecimento geral os Cavaleiros da Ordem do Templo foram responsáveis pela introdução de alguns aspetos inovadores na arquitetura militar, os quais serão progressivamente adaptados e difundidos, ao longo da Idade Média. O Castelo de Peñíscola é disso um excelente exemplo.