Saguão - Porta de Entrada

A fachada principal fortaleza de Peñíscola, tem uma única entrada que conduz ao castelo, que foi construída entre 1294 e 1307.  Esta é coberta por abóbadas de berço, em diferentes direcções e que se adaptam à geometria irregular da planta baixa, a entrada encontrava-se então ladeada por duas torres quadradas salientes que protegiam a entrada – uma destas torres foi demolida no século XIX durante a Guerra da Independência. Na frente desta porta encontra-se esculpida uma faixa de freixos com três emblemas heráldicos – a Cruz Negra da Ordem do Templo; os Cardos, Emblema do mestre da ordem, Frei Berenguer de Cardona, e porque  o edifício foi concluído pela Ordem de Montesa, as Bandas do comandante desta ordem em Peñíscola, o irmão Arnaldo de Banyuls, também aqui se encontra. Acima deste friso heráldico encontra-se uma janela gótica com três pontas. 

A entrada dá acesso não só ao Pátio de Armas, mas a um sem número de dependências. É aqui que se encontram as escadas que dão acesso ao piso superior do castelo e que permitem aceder às salas principais do castelo, aposentos papais, sala gótica, igreja e terraço superior. 

A atual escadaria é o resultado de várias remodelações. Nos mais recentes trabalhos de restauro, foram revelados, na rocha base, alguns vestígios de uma escadaria mais antiga.

A disposição curva do hall de entrada conduz à segunda porta do castelo, localizada a meio caminho da escadaria, cujo intuito era proteger a passagem para o pátio de armas – este espaço, que tinha dupla função, foi usado como claustro, semelhante ao dos mosteiros e ainda como campo de desfile, como era tão característico dos castelos medievais e ao caráter militar da Ordem dos Cavaleiros Templários.

Ao entrar por esta porta e ao caminhar por esta fortaleza com mais de sete séculos de história, imagine os desfiles dos Cavaleiros Templários e da Ordem de Montesa, os passos do Papa Luna, os dias difíceis e turbulentos aquando da Guerra da Independência, quando as tropas francesas ocuparam o castelo e o General Elío , ao bombardeá-lo para o recuperar, rebentou com o carregador de pólvora e com ele a parte superior desta torre que se viu à esquerda da entrada.

Mais um lugar mágico neste castelo!