12-scaled-1.jpg

Ilha São Nicolau

A ilha de São Nicolau (em crioulo cabo-verdiano: Son Niclau, Saniclau) foi descoberta em 1461, é uma ilha montanhosa e uma das ilhas com mais água doce disponível, mas ainda assim sujeita a secas. O símbolo da ilha é o dragoeiro, espécie botânica, que produz resina vermelha, que é muito rara e muito antiga – um verdadeiro dinossauro vivo – que é típica das ilhas da Macaronésia (e que se encontra na lista das espécies da flora em vias de extinção). 

Foi povoada pela primeira no século XVI, é conhecida pelas suas montanhas pela paisagem variada. O principal centro urbano é a Ribeira Brava ou Stancha (em crioulo) e cujo nome advém das torrentes impetuosas da ribeira na época das chuvas.

As ruas estreitas, os becos e as praças mantêm a inconfundível arquitetura colonial, um sinal de identidade na caminhada da História. Há edifícios que têm q Que ser visitados, como a Igreja Matriz e a Sé, ou o Seminário-Liceu de São José (este foi a primeira escola secundária importante de Cabo Verde e da Região Ocidental de África).

Para oeste, como que vigiando a cidade, encontramos a zona do Cachaço, envolvida em frequentes nevoeiros, em dias límpidos pode contemplar-se a aprazível paisagem sobre a Ribeira Brava. Em dias límpidos é possível observar todo o arquipélago de Cabo Verde a partir de São Nicolau, do cimo do Monte Gordo, o ponto mais elevado da ilha (1312m), graças ao seu posicionamento relativamente a todas as outras ilhas do arquipélago de Cabo Verde. O Monte Gordo tem que ser visitado a pé. A exuberância da sua vegetação de coníferas e eucaliptos, sob a qual se desenvolve uma flora diversificada, determinou a sua classificação como Parque Natural. No interior da cratera, situada a 500 metros do topo, cultiva-se café.

Outros locais obrigatórios, a nordeste da ilha, são o Juncalinho e a Figueira do Coxo. Depois destas povoações há uma esplendorosa piscina natural de águas esverdeadas, contrastando com a aridez desta parte leste da ilha, em forma de “cabo de machado pré-histórico”.

No antigo edifício do Orfanato das Irmãs do Amor de Deus aguarda obras de adaptação, vai ser criado um Museu de Arte Sacra.

Para sudoeste encontra a vila balnear do Tarrafal. É principalmente uma vila piscatória tornada famosa pelas suas praias – praia do Francês e praia da Luz – de areias medicinais ricas em titânio e em iodo, um verdadeiro SPA a céu aberto. O lugar é recomendado para alívio em doenças dos ossos e das articulações e procurado por essa razão.

 

A pesca é a principal atividade dos habitantes de São Nicolau, a ilha é conhecida pelo seu mar riquíssimo, procurado como meio de subsistência e também com finalidades desportivas. À ilha de São Vicente chegam amantes da PESCA DESPORTIVA que se envolvem na procura do blue marlin e do espadarte, espécies muito frequentes nestas águas, principalmente nos meses de Maio a Outubro.

No caminho entre o Tarrafal e Ribeira da Prata, passada a praia do Barril, vale a pena parar em Praia Branca, um povoado gentil, sobranceiro à praia com o mesmo nome, onde, em junho, se celebrou o São João, com desfiles e tambores. Bem como com o tradicional salto da “lumnária” (fogueira).  Este empresta mistério à dança tradicional da “coladera”, em que o par se aproxima e choca num gesto sugestivo de namoro, a condizer com a subida do calor do verão que começa. Nestas festas não faltará a Catchupa, regada com grogue (considerado como o de melhor qualidade de Cabo Verde). Uma manifestação cultural a não perder, se estiver em São Nicolau.

Como o povo cabo verdiano é um povo por natureza alegre a música é essencial. E na ilha de São Nicolau a música está presente em todos os momentos da vida da ilha, destacando-se a Mazurca, que tal como a contradança é uma herança europeia. Toda a gente aqui sabe dançá-la, na sua modulação saltitante, protagonizada pelo violino.

Tarrafal 
Gastronomia

A gastronomia, como não podia deixar de ser, é um traço cultural bastante importante.  Há mesmo um prato que ostenta o seu nome: o modje de São Nicolau, ou “modje de capóde” ou ainda “modje de Manel Antóne” – um delicioso ensopado de cabrito, que se pode degustar nos poucos restaurantes de Ribeira Brava ou Tarrafal.

Se quer passar umas férias diferentes, e plenas de emoção, venha conhecer a ilha de São Nicolau!