SL-APRES.jpg

Ilha de Santa Luzia

A ilha de Santa Luzia situa-se no barlavento do arquipélago de Cabo Verde. Ao longo dos tempos foi alvo de várias tentativas de povoamento, mas a escassez de água, gorou essas tentativas. Atualmente e devido às frequentes vagas de seca, é a única do arquipélago que é desabitada.

O clima é bastante seco e como tal a ilha é praticamente desprovida de vegetação, tem no Monte Grande a sua maior elevação com 395 metros de altura.

Em termos de orografia costeira, na ilha encontramos duas realidades – o norte tem montes com escarpas enquanto no sul predominam praias de areia branca com dunas.

Santa Luzia é conhecida ainda pela grande atividade de baleias, golfinhos e de tartarugas.

É comum pescadores pescarem junto à sua costa e pernoitarem na ilha. Nela se encontram duas espécies de aves endémicas: Calhandra de Raso e a Cagarra de Cabo Verde. Com uma fauna marinha bastante diversificada e rica em espécies, tanto de peixes como de bancos de corais,  Santa Luzia é ímpar em momentos únicos como a desova das tartarugas nas praias. 

Em 1990, o governo de Cabo Verde declarou que Santa Luzia, bem como os ilhéus adjacentes (Branco e Raso), eram património público – estes locais passaram a integrar a Reserva Natural Integral.  Esta classificação fundamental para a proteção ambiental trouxe constrangimentos ao acesso.

O acesso à ilha só é possível de barco, sendo que a autorização de acesso à reserva pertence, atualmente, à Direção Geral do Ambiente de Cabo Verde.

A riqueza e características da fauna e flora fazem com que Santa Luzia seja muito procurada para estudos e investigações científicas. 

Presentemente encontra-se em análise um plano de gestão para que se possam estabelecer normas e atividades de turismo a realizar, desde essas mesmas não interfiram com a preservação ambiental e com a conservação das espécies que ali habitam.

Ilha de Santa Luzia é a “pérola mais imaculada de todas as ilhas” e encontra-se entregue à natureza mais pura!