7537507.jpg

Ilha do Maio

A ilha do Maio foi descoberta em 1460, só foi povoada no final do século XVI aquando do início da exploração de sal. Tal como as demais ilhas do arquipélago de Cabo Verde, tem origem vulcânica, todavia é uma ilha quase plana (a sua maior elevação – o Monte Penoso – tem 436 metros de altura).

Ainda que seja uma das ilhas mais áridas do arquipélago é a que tem o maior perímetro florestal de todo o arquipélago de Cabo Verde. Junto à povoação da Calheta tem  uma mancha de 3500 hectares (algo incomum), composta essencialmente por acácias, e que é fruto de um plano de reflorestação.

Já o norte da ilha é bastante árido, devido à erosão provocada pelos fortes ventos de noroeste provenientes do mar.

A ilha pode ser visitada durante todo o ano, já que mantém sempre uma temperatura amena.

Dado ser uma ilha muito periférica e recôndida, algo esquecida pelo tempo e até pelas pessoas, tanto pelos caboverdianos como pelos turistas, mantém-se como um reduto de beleza, autenticidade e cultura cabo verdianas.

Nesta ilha encontram-se algumas das mais belas praias de Cabo Verde – praias de areia branca, e de águas translúcidas que convidam a longos passeios e a revigorantes mergulhos. O mar calmo da Baía da Calheta é uma referência. A ilha do Maio é uma local para todos os amantes do Turismo Balnear e que pretendam descanso total– tem oferta turística neste sentido.

Mas mesmo que vá para descansar tem que dedicar algum do seu tempo a conhecer a ilha e as suas gentes, a sua cultura e tradições e degustar a sua maravilhosa gastronomia.

Destacamos no património edificado:

 

As Aldeias Pitorescas – povoações do Barreiro, Calheta, o Morrinho, Pedro Vaz e Ribeira de São João, Porto Inglês é também uma localidade de visita obrigatória – avenida principal e as ruelas em torno Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Luz e as Salinas são uma referência, e ao final da tarde pode ainda deixar-se arrebatar por um estonteante pôr-do-sol.

Praias: Todas as praias convidam a um mergulho nas suas águas límpidas e de temperatura perfeita! Praia do Porto Inglês (cheia de barcos de pesca, jovens pescadores e peixeiras), Praia da Ribeira de São João e a Praia de Ponta Preta (tem piscinas naturais, onde se pode relaxar, principalmente na maré vaza), onde pode dar uns revigorantes mergulhos, a Praia onde para além de mergulhar nas águas azul-turquesa pode deliciar os olhos e os sentidos num areal repleto de búzios; Praia das Dunas, que fica perto da povoação do Morrinho, e que é mais um dos recantos e sonho desta ilha; a Praia da Calheta, que tem areias negras, mas que é fantástica, e onde ao final do dia os miúdos mergulham antes de ir para casa e Praia do Barreiro, onde para além dos mergulhos, pode ver a desova das tartarugas e ainda Praia Real, a Praia de Pau Seco e Porto Cais.

Caminhadas: pode fazer longas e aprazíveis caminhadas ao longo das belíssimas praias de reluzentes areias brancas; pode caminhar pelas dunas na parte norte da ilha.

Fauna: No verão podem ver-se algumas tartarugas nas praias da Ilha do Maio, podem ainda observar-se, no norte da ilha, algumas aves marinhas raras.

Não pode deixar de ver um concerto da Banda 7 Sóis e 7 Luas no Centrum SeteSóis e Sete Luas (Cidade do Porto Inglês), uma passagem pelo Bar Tropical é também obrigatória (Vlia do Maio).

Gastronomia

A gastronomia é também rica sendo obrigatório deliciar-se com a gatronomia crioula. Destaque para a “Caldeirada de Peixe” servida com garoupa e lagosta. Para obrigatoriamente degustar é o Queijo do Maio – queijo e cabra puro e de sabor peculiar (distinto do das Ilhas da Boa Vista, de Santo Antão ou do Fogo) e o Pudim de Queijo (de cabra) que é uma especialidade da cozinha caboverdiana. Depois há os Doces de Fruta – papaia, marmelada ou gaoiabada – para desgustar sozinhos ou a acompanhar fatias de queijo.

 

Caldeirada de Peixe
Queijo do Maio

A ilha do Maio é um pedaço de paraíso que está à sua espera e que tem que visitar!