PALÁCIO NACIONAL DE BELÉM

Palácio Nacional de Belém / Museu da Presidência da República

Localização: Praça Afonso de Albuquerque – Lisboa
Contactos: (+351) 21 361 46 60 / 21 361 49 80 (marcações)
Email: museu@presidencia.pt

image.jpg

O início da sua construção remonta ao séc. XVI por iniciativa de D. Manuel de Portugal.

Em 1726, D. João V, adquiriu a propriedade, procede a melhoramentos, resultando num palácio de recreio com jardim, e passando a ser usado como residência esporádica e de veraneio permanecendo na propriedade da família real até 1908.

O edifício só foi verdadeiramente habitado por D. José I, que aí se encontrava à data do terramoto de 1755.

No atual gabinete de Audiências do Presidente da República, nasceu em 1889 o último rei de Portugal.

 

A partir de 1890 destinou-se à instalação de convidados estrangeiros, até que com a queda da monarquia, em 1910, tornou-se na residência oficial do Presidente da República.

ed.jpg

De feição barroca e neoclássica, este edifício foi classificado como Imóvel de Interesse Público em janeiro de 1967, classificação essa revogada a favor de uma classificação como Monumento Nacional desde Agosto de 2007, incluindo não só o edifício do Palácio, mas também os respetivos jardins, lagos e estatuária, assim como o Jardim Botânico Tropical (ex-Jardim-Museu Agrícola Tropical), o Picadeiro, as adições recentes, nomeadamente a nova ala de serviços e o novo Museu da Presidência da República, e o património integrado do palácio.

Tem como referência obrigatória os belos jardins, os Pátios das Damas e dos Bichos, e as Salas das Bicas, Dourada, do Império e Luís XV.

Como decoração geral apresenta temática mitológica e alguns painéis azulejares setecentistas. Merece ainda um especial destaque, o conjunto de quadros da autoria da pintora Paula Rego integrado na capela.

Primeira República -  1910 - 1926

Durante a Primeira República, quase todos os presidentes optaram por residir no Palácio de Belém, no edifício que serve hoje de local de trabalho das Casas Civil e Militar, mediante o pagamento de uma renda mensal (abolida em 1928).

Museu da Presidência

O Museu da Presidência da República representa uma das mais importantes fontes de conhecimento e divulgação da história da República Portuguesa e da instituição presidencial.

 

Partindo de um projeto inicial do Presidente António Ramalho Eanes, foi concretizado pelo Presidente Jorge Sampaio, que o inaugurou a 5 de outubro de 2004.

Reunindo um património anteriormente ameaçado pela dispersão e pelo esquecimento, o Museu da Presidência da República detém, atualmente, milhares de peças, entre objetos pessoais, retratos, presentes de Estado e condecorações.

 

Tem também um importante acervo de documentos, tem também a seu cargo a valorização patrimonial do Palácio de Belém e do Palácio da Cidadela de Cascais.

 

A seu cargo tem ainda uma significativa coleção de carros, que desde 1910 serviram os Presidentes da República, exposta no Porto, no Museu da Alfândega.

Ditadura Militar e Estado Novo - 1926- 1974

 Com o Marechal Óscar Carmona e o Almirante Américo Thomaz, o Palácio de Belém ficou reservado a cerimónias de Estado, receções e reuniões oficiais. Apenas o Marechal Francisco Craveiro Lopes o usou como residência entre 1952 e 1958, tendo-se para o efeito recuperado, para residência privada do chefe do Estado, a zona da Arrábida, a ala mais antiga do Palácio e assim apelidada em memória dos frades arrábidos que D. Manuel de Portugal aqui acolhia. 

Democracia - pós 25 de Abril de 1974

O General António Ramalho Eanes foi, até à data, o último presidente a residir no Palácio de Belém.

No presente, a presença do chefe do Estado é sinalizada pelo pavilhão (bandeira) presidencial, hasteado na fachada principal do edifício.

O Palácio Nacional de Belém está aberto a visitas, mediante marcação prévia, feita através do Museu da Presidência da República.

Coordenadas GPS: 38º 41’ 53” N, 9º 12’ 2” W

Palácio Nacional de Belém

Museu da Presidência da República