5b83d044b49752135109753.jpg

Parque das Armas 

O acesso ao Pátio de Armas é feito a partir da porta de entrada.

Esta última é coberta por abóbadas de berço, e dá acesso não só ao Pátio de Armas como também a outras dependências (salas principais do castelo, aposentos papais, sala gótica igreja e terraço superior). Na entrada encontram-se esculpidos emblemas formando um friso - a Cruz dos Templários, os Cardos do Mestre da Ordem Templária, Frei Berenguer de Cardona e Bandas de Arnaldo de Banyuls (Ordem de Montesa), comandante de Peñíscola.

O acesso ao Pátio de Armas a partir do Hall de Entrada é efetuado através de escadas. Este espaço tinha uma dupla função – era usado como claustro, semelhante ao dos mosteiros e ainda como campo de desfile, como era tão característico dos castelos medievais e ao caráter militar da Ordem dos Cavaleiros Templários.

Quando em 1411 Bento XIII estabeleceu a sede papal no castelo, este foi alvo de uma série de trabalhos – restauro, construção e transformação. Restauro de algumas áreas mais danificadas pelos anos de abandono nomeadamente o antigo claustro, construção de alojamentos, nomeadamente os aposentos pontifícios, e transformação local de desfile dos cavaleiros templários em jardim pontifício (permanecem alguns vestígios – mísulas – desta antiga galeria que estão a ser estudados).

Era nesta zona que se situava o jardim pontifício, com vegetação principalmente constituída por plantas aromáticas da zona, e cujo ornamento principal era uma monumental fonte esculpida mandada construir pelo próprio pontífice, conhecida como a fonte baptismal do Papa Luna, e que atualmente se encontra da Catedral de Tortosa. Na Igreja de Santa Maria de Peñíscola encontra-se uma réplica desta fonte.