PRAÇA DO COMÉRCIO
E
ARCO TRIUNFAL (DA RUA AUGUSTA)

Localização: Baixa Pombalina | Lisboa

É uma das mais belas e maiores Praças da Europa (com cerca de 36.000 m²), aberta a sul para o imenso estuário do Tejo. Encontrando-se delimitada por 79 arcos. Até à era do transporte aéreo, foi a grande sala de receção de Lisboa para quem vinha de barco e podia assim desfrutar ainda melhor da sua beleza. Foi pelos degruas de mármore do Cais das Colunas que desembarcavam os Reis e Chefes de Estado que visitavam Portugal.

 
Foi ao passar nesta Praça que a 1 de Fevereiro de 1908, o rei D. Carlos e o seu filho, o Príncipe Real D. Luís Filipe foram assassinados.

A 18 de fevereiro de 1957, a rainha Isabel II do Reino Unido desembarcou no Cais das Colunas, na sua visita a Portugal.

No dia 25 de Abril de 1974 a Praça assistiu a um dos episódios da revolução que derrubou o governo de Marcello Caetano e o Estado Novo.


Antes do terramoto de 1755 tinha o nome de Terreiro do Paço. O Paço Real ocupava então a ala ocidental da praça desde princípios do séc. XVI. No dia 1 de Novembro de 1755 tudo foi arrasado pelo devastador terramoto, seguido de marmoto e incêndio.

Arco-da-Rua-Augusta-Lisboa.jpg

Aquando da reconstrução recebe o nome de Praça do Comércio – denominação que traduz uma nova ordem social que o Marquês de Pombal, Ministro de D. José I, entendeu que previligiaria e valorizaria a classe comercial, financeira e burguesa que tanto contribuiu para a reconstrução da capital portuguesa.


No centro geométrico da Praça, e virada para o rio, encontra-se a estátua equestre de D. José I, montado no seu cavalo Gentil, trabalho do escultor Machado de Castro. Foi colocada neste local, com grande pompa, em 6 de junho de 1775, dia dos anos do Rei, mas ao qual o rei assistiu discretamente através de uma das janelas do Edíficio da Alfandega.

 

Junto à entrada da Rua do Ouro, debaixo das arcadas norte, é obrigatória uma visita ao café-restaurante “Martinho da Arcada”, que terá sido inaugurado pelo Marquês de Pombal em 1782. Este local de culto encontra-se indelevelmente associada às artes e letras portuguesas, tendo sido frequentado por importantes políticos, escritores e intelectuais – Afonso Costa, Manuel da Arriaga, Bernardino Machado, António Ferro ou França Borges, e ainda Bocage, Lopes de Mendonça, Cesário Verde, Augusto Ferreira Gomes, António Botto e Almada Negreiros. Fernando Pessoa, um dos maiores vultos da literatura e poesia portuguesa, foi um dos seus mais assíduos frequentadores. José Saramago chegou a ter uma mesa reservada só para si.

1024px-Lisbon_main_square_-36622604910-.jpg
20180414150233_arco_da_rua_augusta_lisboa.jpg
arco-da-rua-augusta-4.jpg

Antes de prosseguir pela Rua Augusta, que conduz ao Rossio, pare um pouco para observar o Arco Triunfal que ornamenta a passagem.

Monumento em cantaria de calcário de lioz, composto por um amplo arco de volta perfeita.

O Arco do Triunfo da Rua Augusta é um arco triunfal situado na parte norte da Praça do Comércio, sobre a Rua Augusta, em Lisboa, Portugal. A sua construção foi programada em 1759, no quadro da reconstrução pombalina após a destruição da baixa lisboeta pelo terramoto de 1755, com desenho de Eugénio dos Santos, foi inaugurado em 1875.

Na parte superior do arco, é possível observar esculturas de Célestin Anatole Calmels, enquanto num plano inferior se encontram esculturas de Vítor Bastos. As esculturas de Calmels representam a Glória, coroando o Génio e o Valor. As esculturas de Vítor Bastos representam Nuno Álvares Pereira, Viriato, Vasco da Gama e o Marquês de Pombal. Na lateral esquerda, o rio Tejo, e na direita o rio Douro, da autoria também do escultor Vítor Bastos. Os rios Tejo e Douro delimitam a região onde alegadamente viviam os Lusitanos.

O texto inscrito no topo do arco remete para a grandiosidade do Império Português e a descoberta de novos povos e culturas. VIRTVTIBVS MAIORVM VT SIT OMNIBVS DOCVMENTO.PPD “Às Virtudes dos Maiores, para que sirva a todos de ensinamento. Dedicado a expensas públicas”.

Desde 9 de Agosto de 2013 é possível, usando um elevador e dois lances de escadas íngremes, chegar ao miradouro no topo do Arco e ter uma vista estonteante área envolvente.


Coordenadas GPS: 38º 42’ 3’” N 9º 08’ 12”